Paulo Gadelha foi eleito com unanimidade para receber o reconhecimento, que está em sua 38ª edição. Ivo Pitangui, Pedro Ernesto, Paulo Niemeyer e Raul Fialho de Faria Junior são alguns dos médicos que já foram premiados.

 

 

Dr Paulo Gadelha

 

Desde 1978, a centenária Sociedade de Cirurgia e Medicina do Rio de Janeiro (SMCRJ) realiza a premiação conhecida em todo o país pelo seu reconhecimento aos médicos que se dedicam a profissão com afinco, ética e amor à profissão. Este ano, o médico eleito foi o Presidente de uma das maiores e mais importantes instituições em pesquisas do país, a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). Dr. Paulo Gadelha recebeu com muita surpresa e ao mesmo tempo com muita alegria a notícia. A solenidade acontecerá no próximo dia 17 de outubro, às 19h30, no Auditório Geral Nobre do Hospital Universitário Gafreé e Guinle, que fica localizado no bairro da Tijuca (RJ).

“Quando recebi a notícia fiquei muito surpreso e emocionado. O meu processo de formação, logo depois da residência médica em psiquiatria, foi dedicado à saúde pública, área muitas vezes  considerada um campo mais afastado da vertente tradicional da medicina. Desde 1985, me envolvi profundamente com a Fiocruz, pensando a instituição em toda sua complexidade – de tal forma que a minha trajetória profissional se mesclou de maneira profunda com a minha vida. Na Fiocruz, dada a complexidade e a diversidade da instituição, todas as dimensões da pesquisa, da medicina e da saúde pública se integram num processo único como pudemos vivenciar neste ano com a epidemia de zika”.

O Presidente da Fiocruz destacou ainda a importância da SMCRJ e disse ter ficado honrado com a homenagem.  “O fato de a SMCRJ, uma das mais relevantes sociedades do país, que é representada por grandes médicos da medicina clínica e cirúrgica, ter me reconhecido como um merecedor do prêmio, me deixou extremamente feliz e honrado”, disse Gadelha.

Gadelha entrou para a Fiocruz em 1985, mas sua história com a instituição começou desde quando ele colocou os pés no Rio de Janeiro pela primeira vez. “Sou cearense e cheguei no Rio para estudar medicina. Quando sai do aeroporto, o primeiro prédio que avistei na Avenida Brasil, foi o Castelo da Fiocruz. E esta imagem nunca me abandonou. No segundo ano de faculdade, tive a oportunidade de entrar pela primeira vez na Biblioteca de Manguinhos. Lembro, com emoção, que peguei emprestado um livro pequeno, de capa dura, em inglês sobre Interferom.  Na época um dos poucos lugares que havia essa literatura era na Fiocruz e essa visita ficou gravada na minha mente”, relata Gadelha, que continua sua história. “Depois de longos anos, já em 1985, eu recebi o convite de Sérgio Arouca para participar da construção dessa instituição, e implementar a Casa de Oswaldo Cruz, num momento de Reforma Sanitária brasileira e de construção do SUS”, completa o médico, especialista em psiquiatria, mestre em Medicina Social e doutor em Saúde Pública.

Dr. Paulo Gadelha já presidiu, na década de 70, a Associação dos Médicos Residentes do Rio de Janeiro e a Associação Nacional dos Médicos Residentes, e reforça a importância dos médicos se associarem a instituições que caminham junto ao profissional, oferecendo orientação e conhecimento aos profissionais. “Acho fundamental para o médico estar próximo de organizações e instituições, pois são nesses lugares que podemos contar com estrutura, acolhimento, sendo um lugar de diálogo, de capacitação e de representatividade da categoria. Lembro que muitas vezes utilizávamos o espaço na SMCRJ para fazer nossas reuniões das associações de médicos residentes. Foi assim que conheci a Sociedade de Cirurgia e Medicina do Rio de Janeiro, quando ela teve mais uma vez uma importância fundamental no aprimoramento dos médicos e na expressão do seu pensamento coletivo”, finaliza Dr. Paulo.

 

Sobre a Solenidade Médico do Ano

Desde 1978, a Sociedade de Cirurgia e Medicina do Rio de Janeiro, reconhece médicos que fizeram e fazem a diferença de alguma forma e que exercem a Medicina em benefício da população, contribuindo com a promoção da saúde do país, com ética e amor a profissão.  Ivo Pitangui, Pedro Ernesto, Paulo Niemeyer e Raul Fialho de Faria Junior são alguns dos médicos que já foram agraciados com o reconhecimento.

Sobre a SMCRJ

Fundada em 1886, a Sociedade de Medicina e Cirurgia do Rio de Janeiro (SMCRJ) é considerada uma das mais antigas sociedades do país, mas desde a inauguração mantem o mesmo objetivo principal que é organizar a categoria médica em torno das discussões específicas da saúde e de seu papel político.

Atualmente, a centenária instituição oferece atividades de cunho científico, cultural e técnico e, através de fóruns realizados, são levantadas questões importantes aos profissionais sobre o papel na sociedade e como contribuir para a melhoria da prática médica, para a defesa da prática profissional e para o aperfeiçoamento dos antigos e novos profissionais de saúde.